Atenção Srs Passageiros a Austeridade não foi Suprimida

Tendo em conta a notícia avançada pelo jornal O Público, no passado dia 11 de julho de 2018, a CP (Comboios de Portugal) está a ficar sem comboios e está à beira do colapso. Mais uma vez, prova-se que, o corte da despesa publica necessária para cumprir metas de défice e o combate à divida pública está a ser feito nas piores áreas: Mobilidade, Educação e Saúde.

Estes três temas têm sido os mais debatidos desde que o atual governo entrou em funções e começou a oferecer tudo a todos…os funcionários públicos. Pois é, no entanto, quando a manta é curta ou tapamos os pés ou tapamos a cabeça, e em Portugal a manta é curta, muito curta.

Esta, alegada, degradação anunciada da CP, mostra que muitos dos comboios de longo curso têm sido suprimidos na totalidade do percurso, ou em parte, e substituídos por autocarros tornando a viagem para quem utiliza, e paga por esse serviço, muito mais morosa e desconfortável. Segundo a mesma notícia do O Público:

Na linha do Oeste, só entre Janeiro e Maio foram suprimidos 357 comboios, dos quais 333 na totalidade do trajecto e 24 parcialmente. Neste período, a CP gastou 16 mil euros em aluguer de autocarros para realizar transportes alternativos nesta linha.

– in publico.pt

Então, não há dinheiro para comprar novas locomotivas e carruagens, não há dinheiro para manter os comboios que pertencem à CP, mas já há dinheiro para remediar situações permanentes de falta de meios para executar a principal função da CP – Transportar pessoas e bens.

Onde estão os sindicatos e trabalhadores a revindicar melhores condições de trabalho? Onde estão os funcionários dos comboios, que são suprimidos, a revindicar a falta de meios? Onde vão parar as receitas dos passes e bilhetes vendidos?

Sabe-se que a compra de novos comboios pode demorar, no mínimo, três anos, e que a contratação de mais pessoal para EMEF, entidade responsável pela manutenção, anunciada pelo atual Ministro das Infraestruturas e do Planeamento, só produzirá efeitos em um ano, tendo em conta o processo de aprendizagem desses novos trabalhadores e a recuperação do material imobilizado nas oficinas.

Entretanto estes constrangimentos já começam a atingir as linhas urbanas, como a Linha de Sintra, uma das mais movimentadas linhas do país, sendo que, segundo o mesmo jornal, só têm sido afetados os comboios da madrugada evitando que isso aconteça à hora de ponta, mas com esta escalada vertiginosa de falta de manutenção não tardará a chegar a afetar todo o horário de funcionamento da linha. Estima-se que em Agosto haverão novos cortes na oferta da CP.

A Linha de Sintra é a principal via utilizada pelos jovens do concelho de Sintra, tanto os que trabalham na cidade de lisboa bem como os que frequentam o ensino superior, para se deslocarem para os seus empregos ou até às suas Universidades e Politécnicos. Apesar de neste momento estarmos perante o período de férias da maioria dos portugueses, esta é uma preocupação a ter pois até setembro do presente ano, altura em que a atividade laboral e estudantil voltar ao seu normal funcionamento, não haverá melhorias neste sentido!

A Mobilidade é uma das principais bandeiras da tua Juventude Social Democrata, e, olhando para o estado atual dos meios de transporte coletivos, nomeadamente o comboio, vemos que para além de haver uma necessidade de criar novas ligações, temos que tornar as que existem sustentáveis e saudáveis.

Bruno Caeiro

Engenheiro Civil.